sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Projetos espaciais do IAE/CTA

.
Comandantes da FAB e da Força Aérea Francesa visitam exposição do IAE

12/02/2009

A abertura da exposição dos principais projetos desenvolvidos pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) ocorreu no dia 6 de fevereiro e foi marcada pela visita de autoridades das forças aéreas do Brasil, da França e do Paquistão.

Os visitantes foram recebidos pelo diretor do IAE, Coronel Francisco Pantoja, e a alta direção do Instituto, no prédio da Coordenadoria de Confiabilidade e Qualidade (IAE/AVE-Q), onde estiveram reunidos os projetos das áreas de espaço, de aeronáutica e de defesa.

O comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, visitou o instituto e esteve acompanhado pelo então comandante do Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), Tenente-Brigadeiro Carlos Alberto Pires Rolla e pelo atual comandante da organização, Major-Brigadeiro-do-Ar Ronaldo Salamone Nunes. Também estiveram presentes o Subdiretor de empreendimentos, Brigadeiro-Engenheiro Venâncio Alvarenga Gomes, e o Subdiretor de Funções, Bragadeiro-Engenheiro Maurício Pazini Brandão.

O comandante da Força Aérea Francesa, general Stephane Abrial, o adido Aeronáutico da França no Brasil, coronel Jean-Marie Charpentier, o Adido Aeronáutico do Brasil na França, coronel Marcelo Damasceno, e comitiva, foram apresentados aos projetos do IAE que o tornam representativos no Brasil e no exterior.

Na área espacial, filmes sobre montagem, integração, ensaios e lançamento do VLS foram apresentados aos visitantes, que puderam conhecer mock-up (maquete) do VLS, a estação meteorológica e os estudos referentes ao regime pluviométrico de Alcântara (Divisão de Ciências Atmosféricas - IAE/ACA); o dispositivo de análise de vibrações por laser, os estudos sobre a investigação de instabilidade em câmara de combustão de propelente líquido por meio de análise acústica, a qualificação de material para isolamento acústico da coifa do VLS (Divisão de Integração e Ensaios -IAE/AIE); o projeto dos Motores a propelente líquido L5, L15 e L75 (Divisão de Propulsão Espacial – IAE/APE); o projeto do veículo de reentrada atmosférica SARA Suborbital (Divisão de Sistemas Espaciais – IAE/ASE); a qualificação de borracha para uso aeroespacial (Divisão de Química – IAE/AQI); e a Análise Metrológica integrada em projeto e fabricação (Coordenadoria de Confiabilidade e Qualidade – IAE/AVE-Q).

No setor aeronáutico, projetos da turbina de pequena potência, do veículo controlado VANT (Divisão de Sistemas Aeronáuticos – IAE/ASA), do Motor Aeronáutico Flex (Divisão de Propulsão Aeronáutica – IAE/APA), de desenvolvimento de materiais especiais como ligas de titânio, compostos de carbono/carbono, materiais absorvedores de radiação eletromagnética e de blindagem (Divisão de Materiais – IAE/AMR). Na área de defesa, projetos de bombas de penetração, alvos aéreos, mísseis ar-ar e anti-radiação (Divisão de Sistemas de Defesa – IAE/ASD).

Os sistemas de rastreamento de cargas úteis e os veículos e Equipes de salvamento e resgate (IAE/SAR) também foram destaques no evento, que também recebeu a visita do Brigadeiro Mazhar Hussain, Adido de Defesa do Paquistão nesta terça-feira.

Fonte: IAE
.

2 comentários:

Raul(51) disse...

Bastante interessante esta visita, justamente num momento em que o Brasil estreita seus laços com a França e Paquistão no assunto de defesa (da França: navios, submarinos, helicópteros e possivelmente caças. Paquistão: Exportação do MAR-1).
Será que poderíamos iniciar uma parceria de mísseis (ou VANTs ou Foguetes) em conjunto com o Paquistão a exemplo da África do Sul?


abraços

Andre Mileski disse...

Raul, os mísseis MAR-1 foram vendidos como contrapartida da compra dos helicópteros de ataque russos Mi-35 pela FAB. É uma história bem complicada (e em alguns pontos, mal explicada), mas a transação dos helicópteros envolveu uma trading do Paquistão. Acho difícil que uma parceria entre os dois países ocorra. Seria mais provável algo com a Índia. Na área espacial, por exemplo, já houve discussões muito preliminares no passado sobre projetos de satélites conjuntos. Existe também a possibilidade de que a Índia lance satélites de observação brasileiros. Abs. André