terça-feira, 1 de setembro de 2009

'Um barraco aeroespacial"

.
Um barraco aeroespacial

Reunião para discutir lançamento de foguete acaba em briga entre ex-ministro da Ciência e Tecnologia e um major-brigadeiro

Noelle Oliveira

O que era para ser mais uma das 20 reuniões já realizadas pela cúpula Agência Espacial Brasileira (AEB) para discutir a questão espacial brasileira acabou em xingamentos e quase em agressão física na última quarta-feira. O resultado da confusão será o afastamento de um dos diretores da agência, cuja exoneração deve ser publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União (DOU). A confusão envolveu o diretor-geral brasileiro da Alcântara Cyclone Space (ACS), o ex-ministro da Ciência e Tecnologia Roberto Amaral, e o então diretor de Transporte Espacial e Licenciamento da AEB, major-brigadeiro Antonio Hugo Pereira Chaves (1).

A reunião realizada no início da tarde na sede da AEB, no Setor Policial Sul, tinha como pauta alguns ajustes com relação ao lançamento do primeiro foguete da empresa, o Cyclone 4, previsto para dezembro do ano que vem. Durante a discussão, no entanto, Amaral teria cobrado alguns posicionamentos da agência. O ex-ministro e outro integrante da Cyclone foram interrompidos várias vezes pelo diretor Antonio Chaves, o que irritou Amaral. Chaves e Amaral chegaram a esmurrar a mesa, até que o diretor da Cyclone xingou verbalmente o major-brigadeiro que, irritado, jogou um copo de água em Amaral. Segundo um funcionário presente à reunião, a discussão só não terminou em pancadaria pela intervenção dos presentes. Fontes do setor afirmam que o major-brigadeiro Antonio Chaves foi demitido no mesmo dia. Já Amaral, com 70 anos de idade, acabou indo parar em um hospital no dia seguinte, apresentando quadro de pressão alta.

Procurado pelo Correio, Amaral confirmou por meio de sua assessoria a ocorrência do incidente. Ele destacou que as relações da AEB com a Cyclone são harmônicas e que ficarão “melhores ainda a partir de agora”. A agência, por sua vez, esclareceu em nota que “no calor dos debates técnicos, houve um acirramento pontual de ânimos entre dois interlocutores, que, no entanto, não comprometeu as relações institucionais e nem os prazos de andamento do referido projeto”. A agência não informou quem substituirá o diretor exonerado.

Segunda empresa binacional do país, a ACS nasceu há menos de dois anos, criada pelos governos do Brasil e da Ucrânia, para inserir os dois países no mercado mundial de lançamento de satélites, que movimenta, anualmente, mais de US$ 1 bilhão. No tratado firmado entre os dois países, cabe ao Brasil cuidar da infraestrutura do Centro de Lançamento de Alcântara (MA) e à Ucrânia, o desenvolvimento do foguete Cyclone-4. Até abril deste ano, a binacional já havia recebido US$ 72 milhões dos US$ 105 milhões previstos para serem repassados pelos dois países. O governo brasileiro investiu US$ 50 milhões, e o ucraniano, US$ 22 milhões.

A empresa publicou no último 14 de agosto os editais referentes às licitações das obras dos sítios de lançamentos do Cyclone 4. Outra etapa importante para a construção desses locais é a concessão da licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que já está em andamento.

Apesar dos objetivos em comum, fontes dão conta de que o relacionamento entre a AEB e a Cyclone não anda em seus melhores dias, como afirmou Amaral. A situação ficaria ainda mais complicada porque envolveria militares ligados à Aeronáutica. A rixa estaria no fato de a binacional permear um setor historicamente ligado ao comando da coorporação. No entanto, o primeiro foguete só será lançado, agora, sob a administração da recém-criada binacional. Dois militares chegaram a trabalhar na Cyclone, mas foram demitidos.

Outro problema seria a forte influência política quando o assunto é o programa espacial brasileiro. Além de ser dirigida no Brasil por Amaral, vice-presidente nacional do PSB, a Alcântara Cyclone Space tem em seus quadros pessoas ligadas ao partido. A chefe de gabinete de Amaral é Patrícia Patriota, filha do deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE). Em uma outra reportagem, o Correio questionou Amaral sobre o fato. “Aqui, o critério é currículo. Ela é uma expert no setor”, disse o ex-ministro na ocasião.

1 - O militar

O major-brigadeiro Antonio Hugo Pereira Chaves foi cadete da Academia da Força aérea, em 1967. Concluiu os cursos acadêmicos da carreira de oficial-aviador. Formou-se em engenharia eletrônica no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e é doutor engenheiro em automatismo pela Escola Nacional Superior de Aeronáutica e Espaço, em Toulose (França). Orientador acadêmico nos cursos de pós-graduação do ITA, foi também diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEAv).

O POLÍTICO

Vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral foi ministro da Ciência e Tecnologia entre 2003 e 2004, no primeiro governo Lula. Ficou mais conhecido pelas declarações sobre a bomba atômica do que por sua atuação à frente da pasta, apesar de ter permanecido um ano na função. “Nós somos contra a proliferação nuclear, nós somos signatários do tratado de não proliferação (de armas nucleares), mas não podemos renunciar ao conhecimento científico”, afirmou.

Fonte: Jornal Correio Braziliense, 01/09/2009, via NOTIMP.

Comentários: o acontecimento em si não merece muitos comentários. A piada que tem circulado no meio especializado é que baixou o "Hugo Chávez" venezuelano no Brig. Hugo Chaves, brasileiro. O interessante é que a velha divergência entre setores do Ministério da Ciência e Tecnologia e do Comando da Aeronáutica sobre lançadores espaciais continua a existir. Há alguns anos, outro diretor de Transporte Espacial e Licenciamento da AEB foi também exonerado por razões parecidas (embora menos agressivas!).
.

3 comentários:

Brazilian Space disse...

Olá Mileski!

Não é de se estranhar amigo esse desentendimento, já que o senhor Roberto Amaral vem expressando a algum tem pela mídia o seu desejo de acabar com o programa VLS e trocá-lo pelo o acordo com os ucranianos, apesar dos objetivos distintos de ambos projetos. Conjecturando, é possível que nessa reunião ele tenha tentado impor que a Aeronáutica coloque as obras da TMI (já em andamento) em segundo plano e permita que se dê prioridade as obras das instalações do sítio de lançamento do foguete Cyclone 4, visando assim ter tempo hábil para que a empresa possa cumprir o cronograma de lançamento previsto para dezembro de 2010. Acontece que durante a “Operação FogTrein I” um dos oficiais da Aeronáutica ligados a essa operação havia dito para imprensa que as duas operações de lançamentos (uma do foguete VSB-30 e uma outra do foguete Orion) que estavam planejados para serem lançados ainda esse ano do CLA, seriam transferidas para o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) em Natal, devido as obras da TMI que precisavam ser aceleradas para se cumprir o cronograma do lançamento do VLS previsto para dezembro de 2010. Dinamite pura, e só poderia ter explodido.

Abs

Duda Falcão

Sengedradog disse...

O PEB parece um episódio do Buck Rogers que assisti na TV. As naves da federação encontram uma nave "abandonada", uma bagunça, suja, barulhenta, investigaram mais e descobriram que estava ocupada com uns anõezinhos, sete, só que tinha seis generais que davam ordens em um anãozinho soldado. Milesky acho que essa notícia merece muitos comentários, é o reflexo da política brasileira e interesses privados misturando-se com assuntos técnicos. Você sabe como é na NASA? Será que por lá tem filha de senador trabalhando no gabinete da NASA? Só se for engenheira aeroespacial ou grande gestora. Quilombolas, comissão de políticos que não são da área brigando não pelo PEB, mas que a base fique no Maranhão. Isso não pode dar certo!

phobus disse...

Politicos devem zelar pela probidade e fiscalizar os interesses, soberania e segurança da Nação e jamais assinar tratados ou leis que a afrontam.Para compor o quadro de uma estatatal deve ser escolhido em lista triplice, funcionarios idoneos, com conhecimento elevado da area, originarios dos quadros de empresas publicas e universidades. Chega dos pronuciamentos de certos politiquetes de que o partido deve ter cargos a altura de suas ganancias.Brasil acima de todos.