domingo, 2 de novembro de 2008

Satélite Geoestacionário Brasileiro

.
Rússia e França vão ajudar Brasil em projeto de satélite

Governo diz que não vai comprar tecnologia estrangeira para construção de nave estratégica de R$ 600 milhões Ambos os países querem vender tecnologia para satélite geoestacionário ao Brasil; segundo agência, programa será nacional

FÁBIO AMATO
DA AGÊNCIA FOLHA, EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

As agências espaciais russa (Roskosmos) e francesa (CNES) estão ajudando o Brasil a desenvolver o projeto do seu satélite geoestacionário.

De acordo com a AEB (Agência Espacial Brasileira), a cooperação tem caráter de consultoria e não prevê a compra pelo Brasil de tecnologia de nenhum dos dois parceiros.

O diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Thyrso Villela, disse que os acordos prevêem ajuda aos técnicos brasileiros na definição do modelo e nas configurações do satélite geoestacionário. A cooperação dos franceses foi acertada em junho. Com os russos, foi assinada neste mês. Os dois grupos vão trabalhar de maneira separada.

"O que nós queremos é aproveitar ao máximo a experiência desses países para nos ajudar a ter a melhor configuração possível [do satélite], com a melhor relação custo/benefício e que atenda efetivamente às demandas do país", disse Villela.

Satélites geoestacionários giram na mesma velocidade do planeta e, por isso, ficam parados sobre um mesmo ponto. Esse é um tipo estratégico de tecnologia, porque permite, por exemplo, a captura ininterrupta de imagens sobre uma mesma região da Terra.

O Brasil já teve um satélite geoestacionário, utilizado para telecomunicações e fabricado fora do país. Mas perdeu o controle sobre ele depois da venda da Embratel, no governo FHC. Hoje, o país depende do aluguel de satélites, inclusive para as comunicações militares.

No início da década, o Brasil fez um projeto preliminar que apontou para a necessidade de o país ter "no mínimo dois, talvez três" desses satélites, de acordo com Villela. O novo projeto deverá ser o primeiro satélite geoestacionário com tecnologia nacional, algo que países como a Índia já têm.

Em uma reunião marcada para dezembro, AEB, ministérios e a Aeronáutica devem definir quais missões serão cumpridas pelos equipamentos. Entre as prioridades estão a comunicação militar e o controle do tráfego aéreo.

A expectativa é que o projeto esteja pronto até junho de 2009. Segundo Villela, se cumprido o cronograma, é possível que o satélite seja construído num prazo de até cinco anos.

O estudo preliminar apontou custo total aproximado de R$ 600 milhões. O valor depende da configuração dos satélites.

Villela admite que o Brasil não tem condições de construir alguns equipamentos, como aqueles que vão fazer o satélite funcionar por vários anos no espaço e os de controle de atitude e órbita. Mas afirma que o país não se comprometeu nos acordos a comprar a tecnologia de qualquer dos dois parceiros.

Em fevereiro, a Folha publicou reportagem sobre negociações sigilosas entre o ministro Nelson Jobim (Defesa), e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, envolvendo o projeto do satélite geoestacionário. Os franceses querem vender a tecnologia aos brasileiros.

A Rússia também quer vender esse tipo de tecnologia ao país. Em 2006, a Roskosmos chegou a dizer que o "desconto" de US$ 10 milhões na "passagem" do astronauta brasileiro Marcos Pontes para a Estação Espacial Internacional a bordo de uma nave russa tinha interesse comercial.

Em dezembro, Sarkozy virá ao Brasil para fechar parcerias com o governo que prevêem transferência de tecnologia.

Fonte: Folha de S. Paulo.
.

3 comentários:

jrobert disse...

A informação contida no sexto parágrafo está incorreta.

O Brasil possui atualmente 6 satélites de comunicações controlados pela Star One, empresa do grupo Embratel. Tais satélites são controlados pela equipe de Engenharia e Operações da Star One, a partir da estação terrena de Guaratiba no Rio de Janeiro, e são utilizados para telecomunicações, inclusive militares.

Sengedradog disse...

JRobert,

Até onde sei o satélite da banda x, militar, era um dos BrasilSat, pertencentes à Embratel. A Embratel hoje é uma empresa com donos estrangeiros (mexicanos).

jrobert disse...

sengedradog,

Você tem razão. A comunicação em banda X atualmente é um serviço prestado pela Star One/Embatel através de seu satélite Star One C1. Apesar dos satélites serem controlados em órbita por brasileiros, o controle acionário da empresa é da Telmex (mexicana).