quarta-feira, 1 de julho de 2009

Alcântara: Jobim no Senado

.
Brasil corre risco de perder oportunidade na área espacial, alerta Jobim

01/07/2009 - 15h01

O Brasil corre o risco de perder uma excelente oportunidade de se tornar um grande centro lançador de satélites, caso se confirme a redução para apenas 8713 hectares da área destinada ao Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, com o objetivo de garantir maior extensão de terras a remanescentes de quilombolas. O alerta foi feito nesta quarta-feira (1º) pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, durante audiência pública realizada pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE).

Durante a audiência, o ministro lembrou que a Base de Alcântara possui a melhor localização do planeta, por causa de sua proximidade com a linha do Equador - o que torna mais baratos os lançamentos de satélites. A área destinada ao centro em 1983 foi de 62 mil hectares. A partir de um relatório antropológico a respeito dos quilombolas residentes na região, observou, o espaço foi reduzido para 8713 hectares.

O Ministério da Defesa, segundo informou o ministro, está propondo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva a incorporação de outros 11.287 hectares ao centro de lançamento, deixando 66.713 hectares para 1800 quilombolas. Com isso, poderiam ser instaladas no centro até 15 bases de lançamento - em lugar das três a serem erguidas caso a área permaneça restrita aos atuais 8713 hectares.

- Não podemos perder a oportunidade de expansão, pois estaríamos jogando pela janela o melhor ponto do mundo para lançamento de foguetes - advertiu Jobim.

O risco de redução das atividades da base de Alcântara foi um dos temas que levaram os senadores Eduardo Azeredo (PSDB-MG), Augusto Botelho (PT-RR) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) a apresentarem requerimento de realização da audiência pública. Os dois últimos são provenientes de Roraima, onde recentemente foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal uma grande reserva indígena próxima à fronteira, os dois manifestaram preocupação de que a base tenha de deixar o local, como produtores de arroz foram levados a sair da reserva indígena.

- Sem perder de vista os direitos dos quilombolas, o projeto de nação está acima das etnias - afirmou Mozarildo.

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) citou reportagem recentemente publicada pela revista Rolling Stone, a respeito da região de Alcântara, ao defender a busca de uma solução negociada com os quilombolas, que teriam deixado de confiar no governo em virtude do não cumprimento de promessas feitas a eles no início do processo de implantação da base. O ministro concordou com a necessidade de se buscar uma solução negociada. Ele disse que não pretendia debater o tema sob o ponto de vista ideológico, mas admitiu a possibilidade de o centro de lançamentos atingir interesses internacionais.

- É evidente que a alguém não interessa que o Brasil seja a maior base mundial de lançamentos de foguetes. Não vamos ser ingênuos - disse Jobim.

Ainda durante a audiência, o senador Sérgio Guerra (PSDB-PE) perguntou quando seria concluído o processo de escolha do fornecedor dos novos aviões que equiparão a Força Aérea Brasileira. Segundo o ministro, a análise técnica será concluída em agosto e, depois disso, começará uma análise política da questão. Nessa etapa, informou, será levada em conta a proposta de transferência de tecnologia para a industria nacional de defesa.

O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) elogiou a atuação da Marinha e da Aeronáutica na busca dos destroços do avião da Air France que caiu sobre o Oceano Atlântico, no mês passado. Por sua vez, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) pediu que sejam repassados à Marinha os royalties sobre a produção de petróleo pagos pela Petrobras e retidos pelo Ministério da Fazenda.

Fonte: Marcos Magalhães / Agência Senado
.

2 comentários:

phobus disse...

Governo competente tem de zelar pela soberania, segurança e interesses da Nação, objetivando cumprimento da C.F. para o bem de todos, sem privilegios. Quantas residencias de gerações e fazendas centenarias foram desapropriadas por interesses de obras publicas? A China vai remover milhões de moradores para contruir uma hidroeletrica, no interesse da Nação. Aqui obras de interesses da Nação, sofre restrições para atender minorias, enquanto a maioria sofre as consequencias no retardamento nas obras que gerarão empregos de alta qualificação e desenvolvimento economico que interessa a todos. Alguns se perderam em criticar os regimes da Russia, China, Irã, Coreia,que estão mais avançados na area espacial do que nos.Tawaian lançou um missil de cruzeiro de 1000km de alcance e não podemos desenvolve-los ou ficam os misseis limitados a 300Km de alcance. Vemos nossas crianças e jovens com falta de perspectivas sadias, mergulhando nas drogas licitas e ilicitas,libertinagens, programas lascivos e amorais,sem restrições e livros de didaticos escandalosos.Até quando?

melissa disse...

Parabéns phobus concordo c/voce em gênero ,número e grau,voce disse quase tudo que esta engasgado em muitas gargantas!André Parabénspelo seu blog !