quinta-feira, 5 de agosto de 2010

AEB: Relatório de gestão 2009 - Parte I

.
A Agência Espacial Brasileira (AEB) disponibilizou em seu website o relatório de gestão da agência referente ao ano de 2009. Como já mencionamos em ocasiões passadas, o documento apresenta informações interessantes sobre o status de projetos e execuções orçamentárias. Para acessá-lo na íntegra (em arquivo PDF, 39 páginas), clique aqui.

Abaixo, apresentamos, em duas partes, trechos com o andamento em 2009 dos principais projetos do Programa Espacial Brasileiro. Alguns projetos, particularmente na área de satélites (CBERS, Amazônia 1, MAPSAR, entre outros), já foram abordados no relatório de gestão do INPE (analisado aqui no blog em julho. Veja em "Atividades do INPE em 2009 - Parte I"; e "Atividades do INPE em 2009 - Parte II"). Além do mais, vale sempre a ressalva de que, por ser um documento que tem como base o ano de 2009, várias informações estão defasadas.

Observa-se que alguns projetos têm sofrido com as restrições impostas pelo ITAR, dos EUA, que dificulta ou restringe a aquisição de equipamentos, serviços e componentes. Isto é particularmente verdade no caso do programa CBERS, desenvolvido em parceria com a China. Outro ponto mencionado no relatório é a "dificuldade na celebração de novos contratos causada pelos longos prazos de análise requeridos pelo Núcleo de Assuntos Jurídicos de S. José dos Campos", que atua para o INPE e DCTA.

Desenvolvimento do CBERS

"Foi entregue a câmera multiespectral MUXCAM, pela empresa Opto Eletrônica, que fará parte da carga útil do satélite CBERS 3. Trata-se da primeira câmera do gênero inteiramente desenvolvida e produzida no Brasil, para geração de imagens de 20 metros de resolução destinadas ao monitoramento ambiental e gerenciamento de recursos naturais. Essa câmera é totalmente livre de embargos e restrições do International Traffic in Arms Regulations (ITAR). Os estudos do Intelligent Decision Support System do CBERS 3 foram realizados e a integração da rotina do ambiente espacial está em andamento. Foram distribuídas aos usuários nacionais e internacionais mais de 800 mil imagens CBERS, como consequência do esforço de divulgação do Programa para a África e América Latina. Foram também assinados, durante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China, em maio de 2009, memorandos de entendimento para a recepção de dados do CBERS nas estações de Ilhas Canárias, África do Sul e Egito."

Satélite Amazônia 1

"O projeto de desenvolvimento da Plataforma Multimissão (PMM) é um conceito moderno em arquitetura de satélites e consiste em reunir em uma única plataforma versátil os equipamentos essenciais à operação do satélite, independentemente de sua órbita e de sua missão específica. Nesta arquitetura existe uma separação física entre a plataforma e o módulo de carga útil, possibilitando que ambos possam ser desenvolvidos, construídos e testados separadamente, antes da integração e teste final do satélite. A indústria nacional, representada pelas empresas Mectron, Fibraforte, Cenic e Atech, participa deste esforço de capacitação e desenvolvimento dos subsistemas propulsão, estrutura, suprimento de energia e telemetria, telecomando e controle (TT&C). Os subsistemas em desenvolvimento pela industria nacional encontram-se prontos para passar à fase de fabricação, exceto o subsistema de TT&C, que passou por uma importante revisão de projeto e está enfrentando dificuldades na importação de componentes críticos.

O subsistema de controle de atitude e gerenciamento de dados (ACDH), último subsistema contratado pelo INPE para a PMM, encontra-se em franco desenvolvimento pela empresa INVAP Argentina, no âmbito da cooperação internacional entre AEB e CONAE. Etapa importante de validação do projeto de engenharia, concluída em dezembro de 2009, foi a revisão preliminar de projeto (PDR) do ACDH.

O projeto do satélite Amazônia-1, primeiro satélite da série que utilizará a PMM, vem apresentando importantes avanços no seu desenvolvimento. O Amazônia-1, após sua entrada em operações, complementará o programa de geração e distribuição de imagens de sensoriamento remoto brasileiro, juntando-se aos três satélites do programa CBERS que permitirão o monitoramento dos recursos minerais e ambientais do território nacional.

O projeto de carga útil do Amazônia-1 está sendo desenvolvido pelo INPE, mas também conta com a participação ativa da indústria nacional. A empresa Opto Eletrônica S.A. é responsável pelo desenvolvimento do principal sensor que é a câmera Advanced Wide Field Imaging (AWFI).

Outros pontos relevantes de progresso do desenvolvimento do satélite foram a definição da configuração do módulo da carga útil, o início do projeto do subsistema estrutura mecânica e a especificação do sistema de transmissão de dados.

Para a inclusão das imagens do satélite Amazônia-1 no sistema de recepção de imagens do Programa Espacial Brasileiro será necessário adequar a infraestrutura de solo. Para o cumprimento deste propósito, foram concluídas as análises das necessidades de compatibilização da carga útil com o segmento solo."

Missão MAPSAR

"O satélite MAPSAR (Multi-application Purpose Synthetic Aperture Radar Satellite) consiste em uma parceria Brasil-Alemanha, para desenvolvimento conjunto de uma missão radar embarcada na plataforma espacial brasileira PMM (Plataforma Multimissão). O projeto já passou pela fase inicial (Fase A), que definiu a viabilidade técnica da missão e especificou a partilha de tarefas entre os dois países. A fase seguinte - de requisitos e definições preliminares do satélite (Fase B) - foi concluída em dezembro de 2009, faltando apenas a redação do relatório final pelo INPE em conjunto com a Agência Espacial Alemã (DLR)."

Desenvolvimento de Satélites de Pequeno Porte

"No desenvolvimento do satélite universitário ITASAT, foram concluídas as análises de diversas configurações relativas à atitude do satélite; controle, computador de bordo e protocolos de comunicação para missão. Foram também realizados estudos para a definição da órbita, polar ou de baixa inclinação (25°), levando-se em consideração as diversas características da missão: componentes, equipamentos pretendidos para embarque, plataformas de coletas de dados e estações de rastreamento já existentes em Cuiabá e Alcântara. Foi realizada no final do ano reunião para discussão dos estudos realizados para a missão: especificações técnicas do sistema, experimentos pretendidos para embarque, análise de custo, cronograma e viabilidade técnica do projeto ITASAT. Foram fixadas como metas um cronograma de desenvolvimento de três anos (ainda sem definição de data de lançamento) e a meta orçamentária de cinco milhões de reais para o período, excluídos os custos de lançamento.

Encontra-se em fase de finalização um convênio com o Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), para estudos e elaboração de um plano estratégico para iniciativas de capacitação nacional em satélites de pequeno porte, além de apoio técnico e administrativo a projetos nesta área, incluindo o ITASAT."
.

Um comentário:

Marcelo disse...

Caro Mileski,

Me parece no mínimo curiosa a afirmação de que no programa CBERS a câmera MUXCAM esteja totalmente livre de embargos e restrições do ITAR.

Os componentes mais críticos das câmeras desse programa são os detectores CCD e as FPGAs. Componentes estes, sem sombra de dúvida, sujeitos a embargo dentro desse programa.

Caso possua alguma informação complementar a respeito dessa afirmação do Relatório de Gestão da AEB, favor compartilhar.

Atenciosamente.